Brincar – uma linguagem corporal


Categoria: Artigos

Gislaine Caetano Carvalhar e Flávia Medrado*

Os bebês nascem com a capacidade de ver, ouvir e realizar ações reflexas. Durante os primeiros anos de vida, eles desenvolvem habilidades básicas e complexas, como falar e andar. Enquanto a infância transcorre, as habilidades intelectuais aumentam e as motoras são refinadas. A criança também adquire comportamentos sociais, como sorrir, para interagir com as pessoas à sua volta. O crescimento físico é muito rápido durante a fase de lactente, mas estabiliza-se lentamente até a puberdade.

Em razão desse crescimento das habilidades da criança, consideramos de grande importância as brincadeiras corporais. Brincando, ela não apenas se diverte, mas também recria e interpreta o mundo em que vive, constrói conhecimentos e desenvolve capacidades importantes, como a atenção, a memória, a imitação e a imaginação. Ao brincar, a criança potencializa seu desenvolvimento, já que assim aprende a conhecer, a fazer, a conviver e, sobretudo, a ser. Além de estimular a curiosidade, a autoconfiança e a autonomia, proporciona a ampliação da linguagem e do pensamento.

As posturas e os gestos da criança fazem parte de um conjunto de atividades que representam o ato motor: subir e descer, andar, correr, entrar debaixo dos móveis, rolar no chão, imitar os bichos etc. Ao brincar de roda, por exemplo, ela coordena o movimento do corpo conforme o ritmo da música e do grupo, favorecendo, além das habilidades motoras e da organização do seu corpo no espaço, a socialização. Enquanto brinca, ela integra corpo, símbolos e regras, combinação responsável por sua inserção no mundo histórico e no mundo cultural.

Ao interagir com seus colegas e ao manipular objetos, a criança desenvolve a capacidade de construir referenciais de comunicação, pois quanto maior o número de trocas com o meio maior o “vocábulo” gestual e, por conseguinte,  as possibilidades de comunicação intermediadas pela linguagem corporal. Oferecer à criança variedades de objetos, por exemplo, retalhos de pano, panelas, colher de pau, sapato do pai ou da mãe, possibilita que ela crie novas maneiras de brincar e contribui para a construção de sua personalidade.

A criança é corpo e movimento em tudo que faz. Seu corpo é ativo no espaço que ocupa, comunica-se e interage com os outros ao seu redor. Ele necessita estar, ser, sentir, expressar-se. Chora, ri, grita, corre e brinca. A linguagem presente no gesto e nos movimentos, simples ou complexos, permite à criança ser e estar no mundo, o mundo da diversidade, que faz com que cada criança procure formas de imitá-lo e interpretá-lo para aprender a viver.

*Gislaine Caetano Carvalhar: psicóloga-psicopedagoga e arteterapeuta e Flávia Medrado: pós-graduada em Educação Infantil – professora do Infantil I